© Leandro Girardi Shimba por Danielle Shimba

  • Instagram ícone social
  • Facebook ícone social

Para marcar uma consulta

(whatsapp)11-94370-7156​

Ombro Congelado ou Capsulite Adesiva do Ombro

É uma das síndromes dolorosas do ombro que gera mais polêmica, por ter sua causa desconhecida e ser bastante discutida, tanto do ponto de vista terapêutico, quanto de seu diagnóstico. Nessa síndrome, a cápsula articular, que reveste o interior da articulação do ombro, sofre um processo inflamatório e de encurtamento, limitando os movimentos do ombro e causando dor.


Conforme mencionado anteriormente, a capsulite adesiva também pode ter diversas outras causas, tais como: epilepsia, acidente vascular cerebral, uso de fenobabital, lesões na coluna cervical, tendinite do manguito rotador ou do cabo longo do bíceps. Pode, ainda, manifestar-se associada a outras doenças, como doença da tireóide e diabetes ou também pela falta de movimentação/uso do membro, cabendo mencionar, a título exemplificativo, imobilizações do membro superior por tempo prolongado.

A dor é o primeiro sintoma da doença que progride em três fases:

  • Fase 1 (aguda): Tem duração de três a seis meses, a dor no ombro cresce rapidamente, passando a ser também uma dor noturna, que perturba o sono e pode afetar o psiquismo do paciente. A movimentação do ombro é muito  dolorosa e perde amplitude.

 

  • Fase 2 (congelamento): Tem duração aproximada de doze meses, a dor diminui de intensidade, mas persiste em dois momentos: durante a noite e na tentativa de movimentação do ombro, que se apresenta rígido.

  • Fase 3 (descongelamento): Pode durar até 24 meses, sendo caracterizada pela liberação progressiva dos movimentos.
     

Como essa síndrome pode ser diagnosticada?

Por meio da artro-ressonância magnética do ombro: injeta-se contraste para tentar distender a cápsula articular e avaliar seu
volume e a retração dos ligamentos.

Qual é o tratamento?
O tratamento pode ser clínico, ou, em último caso, cirúrgico.

Tratamento clínico: analgésicos, antiinflamatórios, antidepressivos, bloqueio do nervo supra escapular com anestésico e fisioterapia.
Tratamento cirúrgico: é feito por meio da cirurgia artroscópica com a soltura de toda a cápsula articular e ligamentos.